A ANARQUIA DOS VALORES

13.61 12.25

«Todas as sociedades conheceram crises de valor, pela simples razão de que uma sociedade evolui, porque novos problemas surgem e as mentalidades mudam.

Em stock

10% de Desconto Imediato
Compre agora e ganhe 12 Pontos!
Frequentemente comprado em conjunto
19.89 17.89
19.38 17.44
16.00 14.39

«Todas as sociedades conheceram crises de valor, pela simples razão de que uma sociedade evolui, porque novos problemas surgem e as mentalidades mudam. Assim nunca podemos voltar aos valores de outrora. Vamos dizer crise de valores porque os valores de hoje não são mais os de ontem. Tomemos o exemplo de um valor muito marcante, a poupança. Hoje já não tem a importância capital como o teve nas sociedades rurais agrícolas. Hoje, com a segurança social, os seguros, o tipo de capitalismo que vivemos, a poupança perdeu o seu sentido. É um valor que soçobra. Ora isto não quer dizer que outros valores não tenham surgido. «Crise de valores» seria, assim, uma expressão excessiva, como se o conjunto do edifício dos valores se desmoronasse e nos encontrássemos perante um monte de ruínas. Existem outros valores que surgem. Sou sensível ao valor da solidariedade . Existem, também, valores de relação afectiva, entre o homem e a mulher, que não existiam e que não podiam existir na sociedade agrícola de outrora. É um valor que tem a sua força e a sua fraqueza mas, no entanto, é um valor positivo A ideia de A Anarquia dos Valores é a ideia de que os valores não respondem a um princípio único, que são contraditórios. Existe uma anarquia de valores dentro da qual nos temos de reencontrar e dar-lhe um pouco de ordem. É a liberdade, claro está, que nos pode ajudar, apoiando-se na fé religiosa porque estamos perante contradições. É necessário acolher os estrangeiros e, ao mesmo tempo, conseguir manter a coesão social e nacional. Nota-se, efectivamente, aqui uma contradição. A grande tarefa é a reestruturação pessoal das liberdades. A meu ver é claro que uma perspectiva religiosa, uma fé, permite encontrar referências que evitarão derivar para uma espécie de incoerência.» Paul Valadier, LAmi du Peuple «… O autor vê nos sofistas os precursores da abordagem moderna dos valores, ressuscitando, assim, o debate entre Protágoras e Sócrates-Platão. Mas transpõe-no para o seio da nossa cultura moderna, esgrimindo com Richard Rorty, um dos representantes do pragmatismo americano. Perante este relativismo moral conduzindo à desvalorização do universal, o autor não cede à tentação de um retorno a uma transcendência como garante da vida justa. Paul Valadier não se engana na época. Para ele, se a referência religiosa é pertinente, apenas o é como «suscitação da liberdade». Ela não vem substituir-se a uma liberdade enfraquecida. Mostrando a direcção a seguir e a observar, age mais como motor das responsabilidades a assumir. Ela quer-se implicação na história confrontada com a existência acabada e não garantida num além da implicação terrestre. Longe de ser um debate abstracto, reservado a alguns especialistas da especulação, coloca-nos no coração da actualidade da controvérsia…» Rémy Hebding, Reforme

Peso0.312 kg
ISBN Oficial

9789727710515

Editora Oficial

Edições Piaget

Comentários

Não há comentários ainda.

Registrado somente em clientes que compraram este produto pode deixar um comentário.

Utilizamos cookies para melhorar a sua experiência no nosso website. Ao navegar, o utilizador concorda com a nossa utilização de cookies.

Seleccione um ponto de entrega

Produto adicionado!
O produto já está na lista de desejos!
Removido da lista de Desejos

Carrinho de compras

fechar