A carregar...

ENTRE O BEM E O MAL

13.12 11.81

Não há nada pior do que aqueles que querem fazer o bem, em particular o bem para os outros.

Em stock

10% de Desconto Imediato
Compre agora e ganhe 12 Pontos!
Receba entre os dias 26. Abril - 29. Abril
ENTRE O BEM E O MAL
Frequentemente comprado em conjunto
10.99 9.89
19.89 17.89
11.51 10.36

Não há nada pior do que aqueles que querem fazer o bem, em particular o bem para os outros. E o mesmo se aplica áqueles que «pensam o bem». Eles têm a irresistível tendência para pensar para e em lugar dos outros. Este magistério moral, pois é bem de moralismo que se trata, é perigoso. O «bem» é, com efeito, a justificação última do messianismo judaico-cristão. As teorias modernas da emancipação e do universalismo, que são os seus últimos avatares, assentam, igualmente, neste princípio de base. Conformismo preocupante, porque não mais aplicável. Conformismo perigoso, porque aquilo cuja existência se nega – complexidade galopante, relativismo cultural, tribalismo emocional e outros sentimentos de pertença, que já não se adaptam às teorias bem-pensantes – corre o risco de se tornar perverso. Isto é, de tomar caminhos desviados, per via, desde logo, não domináveis. O tempo vinga-se pelos excessos de toda a ordem. O retorno dos diversos fanatismos, dos múltiplos terrorismos, bem como a rebelião, mais ou menos violenta, dos jovens de subúrbio, sem esquecer a deserção de numerosas instituições são os seus sinais mais marcantes. Com efeito, silenciosa ou estridente, a revolta ecoa. Esta rebelião, simultaneamente subterrânea e eficaz, significa, certamente, o terminar de um ciclo, este inaugurado pela consagração do bem como valor absoluto. Eis, pois, a implicação maior da mutação pós-moderna. Reconhecer a «parte do diabo», saber fazer dela um bom uso, a fim de que não submerja o corpo social. O excesso, o demonismo, as múltiplas efervescências de diversa ordem estão aí e afirmam que Dionisos é bem o «rei clandestino» da época. A «parte destrutiva», a do excesso ou da efervescência, é precisamente aquilo que precede, sempre, uma nova harmonia. Desde logo, é uma imperiosa exigência intelectual pensar o sensível em todas as suas manifestações. Não se pode, com efeito, limitar-se a seguir a via recta, balizada pelo racionalismo moderno, mas é preciso, pelo contrário, pôr em acção uma razão mais rica, aberta ao paradoxo e, assim, capaz de pensar a polissemia verificada. Para compreender os fenómenos sociais em obra nos dias de hoje, é necessário mudar de perspectiva: já não criticar, explicar, mas compreender, admitir. Muito precisamente, este livro pretende indicar uma tendência de fundo da vida pós-moderna: a ligação orgânica entre o bem e o mal, o trágico e a jubilação. Surpreendente paradoxo, é aceitando o mal, sob as suas diversas modulações, que se pode encontrar uma certa alegria de viver.

Peso0.266 kg
ISBN Oficial

9789727716616

Editora Oficial

Edições Piaget

Comentários

Não há comentários ainda.

Registrado somente em clientes que compraram este produto pode deixar um comentário.

AutorMAFFESOLI, MICHEL
EditoraEdições Piaget
Primeira Publicação2004
FormatoFísico - Impresso
IdiomaPortuguês
ISBN9789727716616
EAN978-972-771-661-6
Utilizamos cookies para melhorar a sua experiência no nosso website. Ao navegar, o utilizador concorda com a nossa utilização de cookies.

Seleccione um ponto de entrega

Seja notificado quando o produto estiver em stock. Indique o seu e-mail abaixo
Produto adicionado!
O produto já está na lista de desejos!
Removido da lista de Desejos

Carrinho de compras

fechar