O GUARDADOR DE PROMESSAS

17.80 16.02

«A reflexão sociológica e filosófica é hoje das mais convenientes.

Em stock

10% de Desconto Imediato
Compre agora e ganhe 16 Pontos!
Frequentemente comprado em conjunto
1 × A SAÚDE

Em stock

28.27 25.44
21.98 19.79
34.63 31.16

«A reflexão sociológica e filosófica é hoje das mais convenientes. Segundo o autor, o sucesso da justiça subverteu um país no qual o direito não tem elites e as elites não fazem direito, criando assim um perigo para a democracia. Para explicar o fenómeno, as críticas do magistrado dirigem-se, primeiro, aos eleitos. Desprezado, durante muito tempo, pelo primeiro e segundo poderes (o executivo e o legislativo), o terceiro poder – a justiça – enriqueceu com a discórdia dos outros dois: a lei, outrora erigida acima de tudo, não é mais que um produto semi-acabado que deve ser terminado pelo juiz. O autor afirma que os homens deviam questionar se o crescente poder da justiça e do seu aliado objectivo – os media – não será o reflexo de uma depressão social. Na realidade foi toda a sociedade que mudou. A incerteza sobre a norma cria uma insegurança que tem raízes profundas. Quando toda a gente é delinquente, ninguém o é. Além do mais passou-se de uma sociedade vertical para uma sociedade horizontal na qual ocupamos o centro, ou a periferia, e na qual a delinquência pode tornar-se uma forma inédita de procura de identidade. Nesta perca de sentido, a justiça torna-se, então, objecto de uma mistura de sentimentos. Espera-se tudo da justiça, porém, nega-se-lhe o direito de julgar casos muito importantes. Então quais as soluções para fazer renascer a democracia? Que as regras sejam menos numerosas, mais respeitadas e as suas deficiências melhor sancionadas. Clareza dos procedimentos, certeza da norma, estimulação da responsabilidade dos actores – força original da democracia que deveria reabilitar a política. “O que é a política para além da recusa das regulamentações espontâneas da natureza para se fazerem promessas uns aos outros?”, pergunta Garapon. Com efeito, a justiça deve reencontrar o seu lugar, a distância certa entre sancionar e reintegrar, lugar esse que não é o de regular todos os problemas e muito menos, ainda, o de dizer a verdade científica, nem sequer histórica. Dizer o direito poderia, assim, ficar nas mãos dos juízes. O poder de sancionar deveria abrir-se a um maior número de cidadãos comuns. Isto desenvolveria o conhecimento do direito e daria à magistratura uma representação popular, que lhe falta.» Marie-France Masson, Le Fígaro

Peso0.416 kg
ISBN Oficial

9789727710737

Editora Oficial

Edições Piaget

Comentários

Não há comentários ainda.

Registrado somente em clientes que compraram este produto pode deixar um comentário.

Utilizamos cookies para melhorar a sua experiência no nosso website. Ao navegar, o utilizador concorda com a nossa utilização de cookies.

Seleccione um ponto de entrega

Produto adicionado!
O produto já está na lista de desejos!
Removido da lista de Desejos

Carrinho de compras

fechar