A carregar...

O HOMEM NO UNIVERSO

8.93 8.03

Nesta obra são analisadas possíveis implicações de algumas teorias cosmológicas enunciadas na segunda metade do Século XX e que tentaram dar resposta a uma coincidência fundamental há pouco tempo descoberta – a coincidência entre o que as propriedades do Universo são e o que teriam de ser para que a vida inteligente pudesse ter emergido no processo evolutivo cósmico.

Em stock

10% de Desconto Imediato
Compre agora e ganhe 8 Pontos!
Receba entre os dias 15. Abril - 18. Abril
O HOMEM NO UNIVERSO
Frequentemente comprado em conjunto
1 × RELIGIÃO E POLÍTICA

Em stock

14.69 13.22
1 × O FEMINISMO DO SER

Em stock

14.66 13.20
19.38 17.44

Nesta obra são analisadas possíveis implicações de algumas teorias cosmológicas enunciadas na segunda metade do Século XX e que tentaram dar resposta a uma coincidência fundamental há pouco tempo descoberta – a coincidência entre o que as propriedades do Universo são e o que teriam de ser para que a vida inteligente pudesse ter emergido no processo evolutivo cósmico. Duas linhas de pensamento se apresentaram a reclamar este novo território: a linha antrópica, com as várias versões do seu famoso princípio antrópico cosmológico, e uma posterior linha anti-antrópica. Na primeira, a vida inteligente, de que a nossa espécie é particularmente representante, assume uma relevância especial no e para o Universo. Mas na segunda linha, a contrapor às quatro versões do princípio antrópico cosmológico aqui analisadas (versões fraca, forte, participativa e final), surge uma teoria quealarga a ideia de Gaia a todo o Universo e relega a vida inteligente para um humilhante estatuto de subproduto evolutivo de um Universo indiferente. Como é que estas ideias, controversas e especulativas, geradoras de alguns entusiasmos mas alvo de arrasadoras críticas, de desprezo e mesmo desdém podem influenciar as nossas concepções éticas, em particular de ética ambiental? Haverá, sequer, razões para dar crédito a tais teorias, enquanto fundamento de concepções éticas? Alguma destas teorias será merecedora de especial atenção num contexto ético? Se sim, qual? São estes, no fundo, os grandes desafios a que esta obra procura responder. A questão central é a do lugar do ser humano na natureza. Questão central e primeira porque, a partir daqui, toda a ética, em particular a ética ambiental, pode ter uma matriz de fundo. Mas a credibilidade de tal matriz, no contexto desta obra, depende da credibilidade científica das concepções cosmológicas analisadas e apenas a versão fraca do princípio antrópico cosmológico parece garantir um nível credível de cientificidade… Esta obra é um ensaio na mais primitiva acepção da palavra: é uma tentativa de rasgar novos caminhos, uma tentativa de construir pontes entre áreas que aparentemente nada têm que ver entre si e que na prática pouco ou nada contactam entre si, nomeadamente cosmologia e ética ambiental. Investe, pois, num esforço interdisciplinar, convocando para esta jovem e florescente área da ética um conjunto de temas e questões não habituais. Cosmologia e ambiente não são, afinal, tão distantes. A sua proximidade chega-nos pela mão da ética.

ISBN Oficial

9789727716494

Editora Oficial

Edições Piaget

Comentários

Não há comentários ainda.

Registrado somente em clientes que compraram este produto pode deixar um comentário.

AutorBARBOSA, JOÃO LOPES
EditoraEdições Piaget
Primeira Publicação2003
FormatoFísico - Impresso
IdiomaPortuguês
ISBN9789727716494
EAN978-972-771-649-4
Utilizamos cookies para melhorar a sua experiência no nosso website. Ao navegar, o utilizador concorda com a nossa utilização de cookies.

Seleccione um ponto de entrega

Seja notificado quando o produto estiver em stock. Indique o seu e-mail abaixo
Produto adicionado!
O produto já está na lista de desejos!
Removido da lista de Desejos

Carrinho de compras

fechar