A carregar...

O PENSAMENTO ECONÓMICO CONTEMPORÂNEO

9.44 8.50

Em 1968, Milton Friedman escrevia: «Há um largo consenso quanto às principais finalidades da política económica: emprego elevado, preços estáveis e crescimento rápido.

Em stock

10% de Desconto Imediato
Compre agora e ganhe 9 Pontos!
Receba entre os dias 18. Abril - 21. Abril
O PENSAMENTO ECONÓMICO CONTEMPORÂNEO
Frequentemente comprado em conjunto
19.89 17.89
16.75 15.07
1 × A TERCEIRA REVOLUÇÃO

Em stock

12.56 11.31

Em 1968, Milton Friedman escrevia: «Há um largo consenso quanto às principais finalidades da política económica: emprego elevado, preços estáveis e crescimento rápido. Há um consenso mais fiável em afirmar que estes objectivos são compatíveis entre si . Não há consenso quanto ao papel que os diversos instrumentos de política económica podem e deveriam desempenhar para satisfazer estes objectivos». É incontestável que alguns pontos são largamente partilhados pelos economistas: as tarifas aduaneiras e as quotas reduzem o bem-estar, o mecanismo dos preços é considerado eficaz, logo desejável. As finanças públicas deveriam estar em equilíbrio no conjunto do ciclo e não anualmente, etc. Mas há outras análises em que as correntes keynesiana e liberal são radicalmente opostas. Para o keynesianismo, o desemprego é essencialmente involuntário; no pensamento liberal, é totalmente voluntário. Os keynesianos calculam que existem estruturas de mercado imperfeitas, defeitos de coordenação ou que a incerteza é radical; as políticas económicas de estabilização impõem-se. Os neoclássicos acreditam que os indivíduos são racionais, maximizadores e que as suas decisões se coordenam graças a uma ordem espontânea» (F. von Hayek), isto é, graças aos mercados concorrenciais em que os preços são flexíveis; por isso, a política de estabilização deve ser proscrita. Se, numa imagem utilizada por A. Eichner e J. Kregel (1973), quiséssemos resumir as divergências entre as duas grandes correntes, poderíamos afirmar que o keynesianismo entende explicar o mundo tal como ele é e que o neoclassicismo quer demonstrar que este mundo poderia ser económica e socialmente óptimo. Os neoclássicos têm consciência da existência das imperfeições do mercado, dos defeitos de coordenação, etc., mas pensam que se deve fazer como se não existissem; em suma, descrevem o mundo tal como ele deveria ser. Nesta obra, os capítulos 1 a 5 apresentam a corrente keynesiana, os capítulos 6 a 10 são consagrados ao pensamento liberal. Uma obra que se destina a estudantes de Ciências Económicas e de Ciências Políticas, bem como a todos os leitores que procuram enriquecer o seu conhecimento em História do Pensamento Económico.

ISBN Oficial

9789727715312

Editora Oficial

Edições Piaget

Comentários

Não há comentários ainda.

Registrado somente em clientes que compraram este produto pode deixar um comentário.

AutorBERNIER, BERNARD
EditoraEdições Piaget
Primeira Publicação2002
FormatoFísico - Impresso
IdiomaPortuguês
ISBN9789727715312
EAN978-972-771-531-2
Utilizamos cookies para melhorar a sua experiência no nosso website. Ao navegar, o utilizador concorda com a nossa utilização de cookies.

Seleccione um ponto de entrega

Seja notificado quando o produto estiver em stock. Indique o seu e-mail abaixo
Produto adicionado!
O produto já está na lista de desejos!
Removido da lista de Desejos

Carrinho de compras

fechar